Clareamento Dental a Laser

A Ortoscience coloca à sua disposição o que há de mais moderno em tecnologia de Clareamento Dental a Laser.

Clareamento de Consultório

Clareamento Caseiro

Resultado Satisfatório

Principais dúvidas sobre o Clareamento Dental

As moléculas dos géis oxidantes (liberadores de oxigênio) penetram na estrutura do esmalte e da dentina, liberando oxigênio que, por sua vez, “quebra” as moléculas dos pigmentos causadores das manchas.

Não se recomenda clarear os dentes sem orientação profissional. Seja no consultório ou em casa, sempre deve haver monitoramento do dentista.

Sim. Como outros produtos e medicamentos usados na Medicina e Odontologia, se usados corretamente conforme orientação, os produtos usados no clareamento não promovem nenhum prejuízo à saúde geral.

Como regra, temos uma idade mínima para realização do clareamento que é dada pela época de fechamento do ápice dental. Em geral, os segundos molares são os últimos elementos dentais a erupcionar por volta dos 13 ou 14 anos. A partir daí, há um intervalo de tempo de cerca de 3 anos para o completo fechamento do ápice radicular. Dessa maneira, temos como base uma idade limítrofe entre 16 e 17 anos para que se possa fazer o clareamento e, mesmo nessa idade, recomendamos a realização de radiografias periapicais dessa região para análise do estado das raízes.

Existem exceções como, por exemplo, em casos de adolescentes com menos de 16 anos que têm comprometimento estético do sorriso e o clareamento está indicado. Sendo assim, o procedimento pode ser realizado nas áreas de maior evidência no sorriso, por exemplo, de canino a canino, com o consentimento do responsável.

A duração do clareamento dental dependerá de fatores tais como: hábitos alimentares e orais, uso de medicamentos, qualidade da higiene oral, etc. É importante realizar um acompanhamento do paciente e, quando necessário, fazer um clareamento para manutenção a cada 1 ou 2 anos

O clareamento dental realizado com a técnica de consultório (laser) ou feito com moldeiras (caseiro) tem o mesmo mecanismo de ação, que é a quebra dos pigmentos (moléculas orgânicas) em moléculas menores. Esta quebra acontece por ação dos radicais livres liberados pelo gel clareador (peróxido de hidrogênio ou carbamida). Entendendo o processo, desmistifica-se a questão de qual a técnica que promove resultados mais duradouros.

A duração do clareamento dental é muito mais relacionada com o novo contato com pigmentos oriundos da alimentação e hábitos. Assim, cada indivíduo apresenta uma resposta diferente. O tempo de durabilidade é em média de 2 anos (alguns casos mais outros um pouco menos).

De qualquer forma, os dentes podem ser clareados novamente caso haja necessidade ou desejo do paciente.

Os procedimentos prévios ao clareamento dental são fundamentais para o sucesso do tratamento.

Após a anamnese específica, exame clínico e radiográfico, a profilaxia é um item importantíssimo para o clareamento dental.

Nos casos em que há a necessidade da realização de raspagem supra e/ou sub-gengivais, estes procedimentos devem ser realizados em sessões prévias à sessão do clareamento. Estes procedimentos de raspagem podem provocar sangramento gengival que impede uma correta adaptação da barreira gengival, além de poder causar exposição dentinária, provocando uma maior sensibilidade dental.

Na sessão de clareamento, a profilaxia dos dentes deve ser realizada imediatamente antes do clareamento. Não devemos neste momento realizar a profilaxia com jato de bicarbonato de sódio, pois ele é um neutralizador do peróxido de hidrogênio (contido no gel clareador).

Se houver necessidade de uma profilaxia prévia com jato de bicarbonato, ela deverá ser realizada cerca de 3 dias antes da sessão de clareamento.

Após ter realizado o clareamento, não ingerir bebidas/alimentos que contenham pigmentos como: vinho tinto, café, refrigerantes com corantes (principalmente coca-cola), sucos coloridos naturalmente e artificialmente, molho, chá preto, catchup, mostarda, além de não fumar e nem usar batom.

A desidratação pelo isolamento da cavidade oral e exposição ao ar durante a sessão de clareamento, faz com que os dentes tenham a tendência de absorver os líquidos presentes na cavidade oral em até 24 horas depois de terminada a sessão, pois é neste período que a estrutura dental recupera sua hidratação inicial. Por isso, a recomendação da não ingestão de alimentos durante este período deve ser criteriosamente respeitada.

As restrições alimentares devem ainda permanecer por mais uma semana, pois após este período será realizada a segunda sessão de clareamento e é interessante que não haja mais incorporação de pigmentos no dente, possibilitando um melhor resultado final do tratamento.

O clareamento dental age especificamente na estrutura dental, por isso algumas vezes os dentes ficam mais claros que as restaurações, neste caso será necessário trocá-las. Porém nem sempre isso é necessário, podendo ser resolvido com polimento nas restaurações por volta de 10 a 14 dias após o término do clareamento dental.

A técnica caseira (com moldeiras) está contra-indicada para pacientes grávidas ou lactantes em função do contato do gel com os tecidos orais e risco de deglutição. A ingestão dos peróxidos pode trazer muitos prejuízos à mãe.

A técnica de clareamento em consultório é mais segura, pois neste caso não há contato do gel com tecidos moles e o risco de deglutição é eliminado.

É importante explicar que a luz laser emitida pelos equipamentos utilizados na Ortoscience tem capacidade de penetração nos tecidos orais em menos de 1 centímetro. Assim, não são espalhadas no corpo da paciente e nem no ambiente.

Embora tenhamos controle sobre as luzes LED e laser durante o clareamento dental, os procedimentos estéticos em pacientes lactantes ou grávidas devem ser adiados.

Sim. Desde que seja feito o clareamento com laser. O clareamento caseiro está contra-indicado.

Algumas poucas situações contra-indicam o clareamento dental. Pacientes que usam medicamentos contendo sulfato ferroso ou outros metais pesados podem ter seus dentes manchados em função da afinidade destes compostos pelos ossos e dentina.

O Roacutan e medicamentos para acne podem interagir com a luz LED e laser emitidos pelos equipamentos de clareamento e ter como efeito colateral o manchamento da pele. Desta forma, o clareamento dental deverá ser conduzido com cautela, por exemplo, com o uso de protetores ou filtros para a pele (como filtros solares).

Pacientes que realizaram tratamento com isotretinoína podem ser submetidos ao clareamento dental foto-ativado qualquer tempo após o uso do medicamento. Porém, a possível pigmentação dental em função do uso do mesmo pode levar a uma dificuldade no clareamento.

Em pacientes que tem histórico de neoplasias contra-indicamos o clareamento caseiro, pois há um maior risco do agente clareador entrar em contato com a mucosa e esta ser mais suscetível aos efeitos do peróxido. Nestes casos, o mais indicado é o clareamento de consultório que minimiza o contato do agente clareador com os tecidos moles e sua deglutição.

Pacientes que tem ou tiveram câncer de cabeça ou pescoço também devem receber atenção especial, pois a região acometida não deve receber irradiação a laser.

Os medicamentos que contêm metais pesados (como alguns anabolizantes, complexos vitamínicos e alguns medicamentos para acne) podem ter um efeito de manchamento dos dentes. Isso se dá pela afinidade destes elementos químicos com os tecidos ósseos e também com a dentina, acumulando-se nestes tecidos e provocando o escurecimento.

O sucesso do clareamento dental nestes casos é imprevisível, podendo não se alcançar o resultado desejado. Por isso, é preciso investigar o uso de medicamentos que possam conter estes metais, com a intenção de orientar os pacientes quanto ao grau e a velocidade do clareamento.

Primeiramente deve-se fazer o clareamento com laser. Durante o tratamento estas manchas deverão ser protegidas (cobertas). Infelizmente o clareamento não resolve o problema, somente irá amenizar essas manchas, clareando os dentes.

O aparecimento de manchas brancas após o clareamento dental está geralmente associado à desidratação dental que ocorre durante o tratamento. Esta desidratação torna evidente manchas já existentes e imperceptíveis em condições de hidratação normal. O aspecto opaco em geral desaparece depois de algumas horas ou logo que a umidade natural é restabelecida. Para estes casos, não é necessária a suspensão do clareamento dental.

Outra situação freqüente em pacientes que acabaram de realizar o tratamento ortodôntico é o manchamento causado pela presença de resíduos de adesivo. Por isso é muito importante um exame criterioso a fim de identificar estes resíduos que eventualmente não foram removidos. Se este diagnóstico for realizado corretamente, deve-se fazer o clareamento regionalizado, ou seja, a aplicação do gel clareador somente sobre a área mais escura na tentativa de aproximar as cores.

Transforme seu sorriso